Temas delicados: como falar com crianças sobre a morte?

Crianças passam o tempo todo a nos surpreender com perguntas e questionamentos sobre os mais diversos assuntos. E cabe a nós sempre dar a elas as respostas mais sensatas, respeitando a idade e o contexto de cada situação. Mas, o que fazer quando surgirem perguntas sobre temas delicados?

Uma situação bem comum é a morte de um familiar ou amigo próximo. Diante de um acontecimento como esse, é normal que a criança pergunte o que aconteceu com a pessoa e por quê. O ideal é tentar ser o mais realista possível, sem deixar de ser delicado, para não causar traumas à criança.

Pensando em ajudá-lo a reagir bem quando o seu filho perguntar sobre algum conhecido que faleceu (ou até mesmo o seu animalzinho de estimação), separamos abaixo 3 dicas de ouro!

1. Não minta ao abordar temas delicados

Não caia na tentação de inventar uma história de que a pessoa (ou animal) fez uma viagem ou algo parecido. Esse tipo de explicação cria uma falsa expectativa de que o falecido voltará e, dependendo do quanto a criança era apegada a ele, isso pode tornar-se nocivo. Ela deve estar ciente, também, de que quem morre não volta mais.

É necessário explicar que todos os seres vivos seguem um ciclo, que consiste em nascer, crescer e morrer. Se a criança perguntar se ela também vai morrer, explique todos morreremos um dia. O mais importante é ter sensibilidade na forma de abordar o tema com a criança

2. Faça comparações

Ao contrário do que você pode pensar, as crianças ouvem falar da morte antes mesmo de que toquemos no assunto com elas. O tema está presente nos noticiários, nas conversas dos adultos nas ruas e até mesmo em situações banais, como a barata na qual você dá uma chinelada.

Provavelmente, a criança também já está acostumada a ver as flores da casa murcharem. Quando surgirem os questionamentos sobre a morte, você poderá usar esse fato como exemplo: explique que, assim como as flores, todos os seres vivos morrem um dia.

Além disso, você pode se valer de elementos lúdicos, como livros e filmes. O Rei Leão ou Bambi, por exemplo, contam histórias que englobam a morte de algum personagem. Esses filmes, que tratam o tema com mais leveza, ajudarão a criança a entender, de forma natural, como funciona o nosso ciclo de vida.

3. Ouça o que a criança tem a dizer

Mais do que simplesmente falar sem parar, você deve ouvir o que a criança tem a dizer. Ela deve ser encorajada a expressar seus sentimentos diante do ocorrido e tirar todas as suas dúvidas.

Você também não precisa esconder que está triste. Ela precisa entender que a tristeza é um sentimento comum nessa situação, mas que, depois, ela vai passar.

Caso o seu filho queira ir ao funeral ou mesmo “dar um último beijo” na pessoa que faleceu, não o impeça. Avise-o de que ele verá cenas tristes, como o caixão e as pessoas chorando ao redor, mas entenda que, para algumas crianças, ver ajuda a elaborar a perda.

Falar de assuntos delicados com crianças pode causar um pouco de receio, mas, seguindo as dicas que demos, é possível abordar temas complicados de modo que os pequenos entendam bem o que acontece, sem traumas ou mentiras.

Se você encontrou neste post informações úteis sobre a melhor maneira de tratar de temas delicados como a morte com crianças, deixe seu comentário abaixo e compartilhe suas experiências!

Uso do polvo de pelúcia e crochê: como ele ajuda bebês prematuros?

Você sabia que o uso de polvo de pelúcia ou crochê pode ajudar no desenvolvimento de bebês prematuros? No post de hoje, vamos explicar como isso acontece e detalhar a iniciativa, abordando seu surgimento e aplicações recentes. Acompanhe!

Como tudo começou?

Criado na Dinamarca em 2013, o Octo Project (Projeto Polvo, em tradução livre) foi proposto por um grupo de voluntários para auxiliar recém-nascidos prematuros a se sentirem seguros e confortáveis em incubadoras das maternidades.

O que inicialmente pareceu uma ideia muito simples acabou trazendo resultados surpreendentes: os médicos do Hospital Universitário de Aarhus registraram aumento de oxigênio no sangue e melhorias nos sistemas cardíaco e respiratório dos bebês observados que ganharam uma companhia de oito tentáculos.

Como os polvos auxiliam os bebês prematuros?

O motivo para o resultado positivo é relação de semelhança entre o tentáculo e o cordão umbilical, fazendo com que os recém-nascidos lembrem do período em que estavam no útero e, por isso, sintam-se mais seguros e confortáveis.

Para a criação do polvo com essa finalidade, a recomendação é que o material utilizado seja 100% algodão e os tentáculos não ultrapassem 22 centímetros.

Nesses quatro anos, a ideia se espalhou ao redor do mundo, chegando inclusive ao Brasil. O nosso Ministério da Saúde publicou a nota técnica 08/2017, em abril deste ano, afirmando que a utilização dos polvos de forma lúdica pode auxiliar na recuperação de bebês prematuros internados.

Há algumas histórias de sucesso?

Foram muitos relatos de êxito e também inúmeras fotos nas redes sociais de bebês fofos abraçados com seu polvo amigo. Você já deve ter se deparado com alguma, embora talvez não conhecesse os benefícios para a saúde dos pequenos.

A equipe neonatal do Hospital Poole, em Dorset, na Inglaterra, resolveu comprar a ideia e presentear seus pequenos pacientes com um octo. Kat Smith, mãe de gêmeas prematuras — nascidas com apenas 28 semanas —, relatou que o contato com o polvo possibilitou a sensação de segurança em suas filhas. Hoje em dia, as crianças estão muito bem.

Outro caso de sucesso aconteceu com a empresária brasileira Kika Duarte, que deu à luz um menino prematuro com 27 semanas. A mãe disse que o bebê evoluiu com a tranquilidade fornecida pelo bichinho, fazendo com que o impulso de arrancar os fios a que estava conectado na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) diminuísse.

Além do uso em prematuros com fins de recuperação, uma dica é utilizar o polvo ou outros objetos também com crianças que nasceram no tempo normal. Sentir segurança e conforto são sensações benéficas a todos, não é mesmo?

A naninha, por exemplo, ajuda os bebês a suprirem o sentimento de angústia, solidão ou tristeza na ausência dos pais. Seja para o seu filho, para presentear as crianças de sua família e de seus amigos ou ainda ser o mimo para os papais e as mamães de uma empresa, ela é uma boa ideia. O polvo de pelúcia/crochê e a naninha são lembranças que unem criatividade e bem-estar.

Gostou de nosso post? Que tal compartilhá-lo em suas redes sociais e mostrar essa interessante iniciativa aos seus amigos e familiares?

Como o pai está assumindo e contribuindo mais na criação dos filhos

Foi-se o tempo em que somente a mulher era a responsável pelos cuidados com os filhos! Cada vez mais essa tarefa também é exercida de forma natural pelo pai. Ainda é preciso mudar a mentalidade machista da nossa sociedade; porém, aos poucos, mãe e pai passam a participar ativamente da criação dos filhos em diversas famílias.

No post de hoje, veja como a sociedade vem mudando nesse sentido e outros benefícios que a participação paterna pode proporcionar às crianças e jovens. Acompanhe!

Ambiente familiar mais saudável

Hoje, a mulher é criada para construir uma carreira, sem precisar largar tudo depois que o filho nasce. Sabemos como se torna difícil conciliar o trabalho com os cuidados da casa e filhos — a chamada tripla jornada que as mães são obrigadas a enfrentar.

Além de trazer um esgotamento físico e mental para a mulher, esse cenário faz com que ela tenha cada vez menos tempo de qualidade ao lado dos seus filhos. Então, quando o pai passa a se responsabilizar junto com a mãe com tudo o que envolve a criação dos filhos, a relação entre todos da família se torna mais saudável e feliz.

Entendimento de que não se trata de uma “ajudinha”

Mas não estamos falando do pai dar uma “ajudinha”, como ir trocar a fralda do bebê porque a mulher está ao telefone. É ser pai de verdade, realizando os cuidados com os filhos de forma natural e espontânea.

Planejar as refeições das crianças, participar da rotina escolar e reuniões com professores, contar histórias antes de dormir, levar ao pediatra e para tomar vacinas — tudo isso pode, e deve, ser feito também pelo pai.

Quando o pai assume a responsabilidade com esses cuidados, ele se aproxima mais das crianças e adolescentes, transmitindo confiança e, é claro, carinho.

Oportunidade de aprendizado para o pai

Muita gente ainda considera estranho, afinal, há aquela ideia de que homem não sabe cozinhar ou escolher uma roupa para a filha. Realmente, muitos não sabem, mas podem aprender! Afinal, a mulher também não nasce sabendo ser mãe, mas supera todas as dificuldades.

Nesse ponto, é importante que a mãe também permita essa participação! Há aquelas que pegam todas as tarefas para si por perfeccionismo, ou porque acham que os maridos não vão conseguir ajudar. O casal deve trabalhar esse ponto lado a lado.

Novos pais, ou “pães”

Com a Lei 13.058/2014, ficou estabelecida a guarda compartilhada. Sendo assim, em muitas famílias na qual o casal é separado, a guarda da criança é dividida entre os dois. Dessa forma, os pais podem assumir uma participação maior na vida dos filhos, mesmo morando em outra casa.

Há, ainda, situações de pais que criam os filhos sozinhos, sem a mãe — os chamados “pães”. Eles dão muito bem conta do recado, conciliando trabalho e família. Outro cenário possível são os casais homoafetivos com filhos: dois pais que assumem a criação das crianças e fazem um trabalho maravilhoso.

Filhos e pais mais felizes

O relatório State of the World’s Fathers (“O Estado dos Pais do Mundo”), da organização ativista MenCare, analisou cerca de 700 pesquisas de vários países e apontou que os filhos crescem mais felizes e são mais bem-educados quando há participação ativa do pai na sua criação desde cedo.

Os benefícios dessa convivência também se estendem para os próprios pais, que apresentam melhoras em sua saúde física e mental.

Mudança de cultura

Estamos falando de uma mudança de cultura: brincar de casinha e boneca também pode fazer parte da infância dos meninos. Filhos homens podem, sim, ajudar nas tarefas domésticas, como arrumar a cama e lavar a louça. Aos poucos, é possível mudarmos a sociedade para melhor.

Toda a família só tem a ganhar quando os pais passam a participar de forma ativa de tudo o que envolve a criação dos filhos. Outro ponto de destaque é que, enquanto a mãe transmite cuidado, o pai transmite segurança; por isso, o resultado dessa relação mais próxima são crianças mais seguras e confiantes para enfrentar o mundo.

Agora você já sabe como é importante que pais e mães participem juntos dos cuidados com os filhos! Para mais conteúdo como este, siga-nos no Facebook, no Instagram e no Pinterest!

Animais e bebês: como lidar com seu pet após a chegada do bebê?

Quem é louco por animais sabe: o pet está acostumado a ser o centro das atenções da casa quando os donos chegam do trabalho, não é mesmo? Assim como nós, humanos, eles também sentem insegurança quando há mudanças na rotina. Como prepará-los, então, para a chegada de um novo integrante à família?

O primeiro passo é entender que animais e bebês podem, sim, viver em perfeita harmonia. Tudo dependerá da forma como você agir diante da situação. Apesar de toda a empolgação e alegria com a chegada do seu filho, é necessário tomar cuidado para que o seu animal de estimação não fique totalmente de lado: ele deve sentir-se parte da sua nova rotina com o bebê.

Após checar as vacinas e a saúde do seu pet, é necessário iniciar um trabalho para que ele entenda a mudança que está por vir. Se você ainda tem dúvidas em relação a essa transição, listamos abaixo 3 dicas que vão ajudar na preparação do seu animalzinho para a chegada do bebê:

1. Faça-o entender que a casa tem um novo cômodo

Assim que o bebê nascer, é natural que os pais passem muito tempo no quarto do pequeno. Entretanto, o animal precisa começar a entender que isso acontecerá antes mesmo do nascimento.

Para isso, procure fazer com que ele veja que vocês estão no quarto do bebê, para que se acostume com o fato de que isso será recorrente daqui por diante. Dessa forma, quando o pequeno nascer, seu pet já estará habituado a vê-los nessa parte da casa.

Ele deve entender, também, que não terá permissão para entrar no cômodo; entretanto, é importante deixar que ele entre algumas vezes, para cheirar os móveis e reconhecer o terreno.

2. Aproxime animais e bebês pelo cheiro 

Por falar em cheiro, os animais costumam reconhecer os donos pelo cheiro, e é por isso que ele deve conhecer o cheiro do novo membro da casa também.

Para isso, pegue uma peça de roupa usada do bebê e dê para o seu pet cheirar. Trata-se de uma forma de fazê-lo acostumar-se com o cheiro, antes mesmo que haja um contato físico.

Aliás, esse contato só deve ocorrer sob orientação médica e diante da supervisão dos pais.

3. Não o deixe de lado

Ninguém gosta da sensação de ser “trocado”, nem o seu pet. Um dos maiores medos dos animais em relação à chegada de crianças é o de ser deixado de lado diante da novidade.

Portanto, continue reservando um tempo para brincar com o seu animal, trate-o bem na presença do pequeno e das visitas e não o repreenda só porque ele se aproximou do bebê. No lugar disso, você pode recompensá-lo pelo bom comportamento em relação ao bebê.

Seguindo essas dicas, o seu animal tenderá a associar tudo o que se relaciona ao bebê a algo positivo também para ele. É assim que se começa a construir uma relação de harmonia e confiança entre eles.

Se você gostou das nossas dicas sobre como integrar animais e bebês, curta a nossa página no Facebook e fique sempre por dentro das nossas novidades!

Música para recém-nascidos: montando uma trilha sonora para seu bebê

Você já reparou no poder que a música tem? Ela diverte, acalma, inspira… enfim, ela afeta positivamente a vida de todos nós.

Contudo, há uma fase da vida em que as melodias desempenham um papel ainda mais especial: logo após o nascimento. A música para recém-nascidos estimula o desenvolvimento e representa uma série de vantagens para os pequenos. 

Gostou do assunto? Continue acompanhando o post e saiba como os sons afetam o bebê, além de descobrir como montar a trilha sonora ideal!

Uma relação que começa na barriga

A relação entre música e bebê começa a ser construída ainda na gestação, quando a criança começa a escutar (a partir da 20ª semana, aproximadamente). Nesse período, os sons aumentam a atividade cerebral e contribuem para que o vínculo entre mãe e bebê se fortaleça. Um fato que mostra o quão forte é o papel da música já nesse momento é a criação de playlists para o momento do parto.

Após o nascimento, as canções continuam desempenhando um importante papel. Muitos estudos mostram que o bebê fica mais calmo ao ouvir sons que escutava quando ainda estava na barriga. 

Expor o recém-nascido ao mundo musical é uma forma de estimular a capacidade cognitiva e cerebral, já que os sons ajudam a desenvolver a linguagem mais rápido, bem como aumentar a facilidade na hora de aprender novas línguas. Além disso, essa relação com a música ajuda (e muito!) nos futuros relacionamentos interpessoais. 

Sendo assim, o constante contato com diversas melodias contribui para o desenvolvimento das capacidades sensitivas, intelectuais, motoras, linguísticas e emocionais. Ou seja, trilha sonora é um item que não pode faltar no “enxoval”!

Montando uma trilha sonora com música para recém-nascidos

Esse certamente é o principal questionamento dos pais, afinal, todos querem saber quais os melhores sons e canções. A verdade é que não existe uma música certa ou errada, apenas a que está de acordo com o estado da criança. 

Se o bebê está muito agitado, por exemplo, uma música mais calma pode ajudá-lo a relaxar e até mesmo pegar no sono. Já as músicas mais animadas devem ser usadas quando ele está mais ativo, pois vai ajudar na estimulação.

Músicas instrumentais e com letras divertidas são boas opções para compor a trilha sonora e ainda ajudar na construção do vocabulário infantil. Com o tempo, é claro que a criança apresentará sinais de preferência por um ou outro som. Contudo, até esse momento chegar, o ideal é oferecer canções relaxantes e tranquilas. 

Buscando inspiração em outras playlists

Diante da importância da música no desenvolvimento da criança desde o período da gestação, muitas playlists são criadas com o intuito de facilitar o processo de inserção da música na rotina, visto que nem sempre os pais têm tempo de montar uma trilha sonora com a dedicação que gostariam. Por outro lado, essas seleções prontas também servem para inspirar a construção de outras, de acordo com o gosto pessoal de cada um.

Felizmente, há muitas apenas esperando pelo play. A Arca de Noé, por exemplo, está disponível no Spotify e é composta por poemas cantados por nomes conhecidos como Caetano Veloso, Marisa Monte, Seu Jorge e vários outros.

No YouTube, também é possível encontrar várias seleções de fácil acesso. Para pais que buscam uma trilha sonora relaxante para a hora do sono, há a opção de escutar 8 horas de música para ajudar a dormir.

Play Sleep Music é outra seleção disponível no Spotify e traz 13 versões tranquilas e relaxantes de algumas cantigas de ninar e músicas clássicas. 

O desenvolvimento infantil é um processo incrível e não há nada melhor do que contribuir para isso através do uso da música para recém-nascidos. Como vimos, são muitos os benefícios das canções para os pequenos, desde o momento em que ele desenvolve a capacidade de audição — ainda na barriga!

O que você acha do uso da música como ferramenta para estimular o bebê? Gostou do assunto abordado no post? Acompanhe nossas psotagens no Facebook, Instagram, Twitter, Pinterest e Google+ para ficar sabendo das próximas novidades!

Avós modernos: eles ajudam os filhos, cuidam dos netos e trabalham. Como?

Os avós modernos parecem estar muito mais saudáveis e ativos: eles correm, trabalham, vão na academia e cuidam dos netos. Entenda agora o que mudou para que nossos pais queridos consigam fazer tantas coisas e descubra o que pode acontecer quando existe a “terceirização” da educação dos filhos aos avós.

Como os avós modernos ajudam?

Hoje em dia, os avós trabalham quase como substitutos: em casos em que os pais faleceram, abandonaram, são muito jovens ou, até mesmo, quando trabalham muito. A casa da vó adquiriu um novo significado, passou de local de almoço de domingo, para um ponto de encontro no qual netos convivem, brincam e crescem juntos.

Os avós modernos possuem muito mais energia, disposição e mantêm-se fisicamente ativos por mais tempo. Dessa forma, podem engajar-se em brincadeiras com os netos, correr atrás deles, levantar e agachar com mais facilidade.

Existe uma troca muito interessante após a revolução da internet: os avós podem contar como era no tempo deles e as crianças podem ensiná-los a navegar na web. É muito inovadora essa partilha de conhecimentos da qual ambos saem com algo novo.

Diante desse novo cenário, você deve estar se questionando sobre o que mudou, correto? Confira o que contribuiu para essa alteração:

Avós estão mais ocupados

Os idosos não precisam mais ser dependentes de nada, nem ninguém. Assim como qualquer pessoa, estão com a liberdade de ser e fazer o que quiserem. O mundo dividiu os tipos de avós e aqueles velhinhos cansados que só ficavam sentados já estão quase extintos.

Existe uma porcentagem de avós que ainda estão inseridos no mercado de trabalho e não possuem os recursos para tomar conta dos netos. Ainda há aqueles que querem viver e aproveitar as coisas, já que não têm mais tantas responsabilidades e, por isso, viajam e participam de diversas atividades.

A expectativa de vida aumentou

A expectativa média de vida aumentou 40 anos nas últimas 11 décadas, segundo o IBGE. Em 2014, chegou-se a expectativa de vida média de 75,4 anos. Isso significa que essa geração de avós poderá ter entre 20 e 30 anos de convívio com os netos.

Os avós modernos poderão ver suas crianças crescerem, terem filhos e conviver com os mesmos até que eles estejam na idade adulta. Muitos viverão para ser bisavós — este acontecimento não será mais uma raridade.

Ainda existem muitas adolescentes grávidas

Por outro lado, há um número muito alto de filhos com pais incapazes de educar da maneira correta e isso pode acabar como responsabilidade dos avós. Mesmo que a quantidade de adolescentes grávidas tenha caído 17% entre 2004 e 2015, as crianças de mães entre 10 e 19 anos, representam 18% dos nascidos vivos brasileiros em 2015.

O que “terceirizar” seu filho pode causar?

Assim como a terceirização de serviços é passar alguma atividade para outro fazer, crianças também passam por terceirização. Seja o avô, avó ou babá, quando os responsáveis não são os pais, algumas interferências sérias na educação do seu filho podem acontecer. Veja a seguir algumas delas:

Quebra de vínculo

O papel, principalmente, da mãe é essencial para a criança. A falta de tempo, de afeto dos pais e a quebra desse vínculo importante pode trazer sérias consequências, tais como a não valorização, a falta de respeito e cuidado com o próximo.

Isso acontece pelo fato da criança se sentir abandonada e não aprender a valorizar os sentimentos do outro, já que os seus próprios não foram valorizados.

Falta de educação

A educação vem, sim, de casa. A escola ensina e alfabetiza, mas a maneira de se comportar, pedir em vez de mandar, ter carinho e respeito com os outros, saber esperar a sua vez e reconhecer seus limites, quem ensina é a família. Não é correto exigir um comportamento do filho, se os responsáveis não tiveram tempo de ensiná-lo, nem ficarem bravos com os avós que tendem a ser mais divertidos do que “durões”.

Essas são apenas duas das complicações que se pode ter ao terceirizar a criação dos filhos. Existem muitas outras e, mesmo que os avós modernos ajudem, eles não devem ser responsabilizados pela educação dos netos. Se você gostou do nosso post e quer receber nossas novidades, assine nossa newsletter!

5 dicas criativas para montar uma brinquedoteca em sua casa

Quer lugar melhor para uma criança se divertir do que uma brinquedoteca? Afinal, é brincando que as crianças se desenvolvem, fazem amizades e descobrem o mundo. Além disso, ao montar uma brinquedoteca em casa, você concentra a “bagunça” em apenas um cômodo e deixa o restante do lar organizado.

Então, que tal separar um cômodo ou um pedacinho do quarto do seu filho e montar uma brinquedoteca? Acompanhe este artigo e descubra várias dicas valiosas!

1. Construa uma brinquedoteca sob a cama

Para quem tem pouco espaço em casa, uma ideia supercriativa é montar o cantinho dos brinquedos na gaveta embaixo da cama. Para isso, você pode cobrir o estrado de madeira com MDF e colocar pequenas caixas organizadoras em um dos cantos, para guardar os brinquedos. Depois da brincadeira, é só fechar a gaveta e o quarto já estará organizado.

Reserve ainda um espaço maior sobre o MDF para montar um pequeno cenário, como um trilho de trem, uma pista de corrida ou um castelo, por exemplo. É possível até mesmo construir uma cidadezinha com casinhas em pop-up. Sua imaginação é o limite!

2. Crie um canto com fantasias e maquiagem

Uma coisa que toda criança adora é se fantasiar do seu personagem favorito. E que tal criar um espaço onde elas possam se preparar para mergulhar no mundo do faz de conta? 

Escolha um cantinho do quarto para colocar um daqueles carrinhos com cabides de roupas e pendure diversos tipos de fantasias  pode ser de pirata, princesa, astronauta, professora, médico… Se possível, coloque também uma pequena penteadeira e deixe algumas tintas para pintura facial e diversos pincéis. A criançada vai amar o espaço para se fantasiar.

Para deixar a diversão completa, coloque também uma pequena prateleira com os livros dos personagens mais amados por suas crianças. Assim, além de deixar espaço para a imaginação, você também incentiva a leitura e oferece muita inspiração para as fantasias. 

3. Delimite a bagunça no interior de uma casinha

Ela pode ser feita com uma grande caixa de papelão, basta recortar as janelas e a porta e fazer uma pintura bem bonita  ou encomende pela internet alguns modelos de papelão já prontos. Se o espaço não permitir, faça na parede uma pintura de casinha e coloque em frente uma mesinha e outros objetos para simular um espaço doméstico.

Outra ideia é pendurar um lençol e montar uma cabana; coloque almofadas e tapetes no interior e deixe os brinquedos ali dentro. Assim, a bagunça se concentra numa pequena área do quarto.

4. Faça uma floresta de livros

Para criar o hábito da leitura nas crianças é importante oferecer um espaço onde elas desenvolvam esse interesse. Você pode chamar a atenção delas com uma floresta de livros: faça algumas prateleiras na parede no formato de árvores  dá pra encontrar diversos modelos na internet. Coloque também almofadas no chão e alguns tapetes de fibra, imitando uma cabana na floresta. Luminárias no formato de tochas ou fogueiras completam o clima. Aproveite para contar algumas histórias!

5. Faça da organização parte da brincadeira

E quem disse que a organização não pode ser divertida? Para incentivar as crianças a guardarem os brinquedos depois da brincadeira, coloque algumas caixas organizadoras lúdicas. A ideia é deixar o espaço para guardar de um jeito que possa entrar na fantasia da criançada. 

Assim, por exemplo, você pode colocar algumas gaiolas para servirem de jaulas para os bichinhos de pelúcia do zoológico do seu filho, ou amarrar algumas fitas na abertura de uma caixa imitando as grades. Pinte também uma gaveta como se fosse a porta de uma garagem e faça dali o espaço perfeito para os carrinhos ficarem “estacionados”. 

Use ainda um dos cantos do quarto para pendurar pequenas redes, uma em cima da outra, onde os brinquedos possam ficar “descansando”. Dá até para fazer desenhos de palmeiras e de uma praia na parede, para dar o clima certo. Com todo esse incentivo, as crianças vão sempre se lembrar de deixar tudo no lugar.

E agora que você já conhece todas essas dicas, que tal colocar a mão na massa e montar uma brinquedoteca em casa? Assine a nossa newsletter para mais inspirações e informações sobre a vida com os pequenos.

6 ideias de presentes para recém-nascidos meninos

Quando a mamãe anuncia que o bebê é um menino é um momento de grande alegria. Família e amigos já se preparam para a sua chegada — e, sabendo o sexo do bebê, essa tarefa fica mais fácil. Mas como presentear o pequeno, e agradar tanto a ele quanto a seus pais?

Existem muitas opções. Por exemplo, pode-se pensar em uma roupa que tenha um design interessante e que seja confortável para o pequeno. Também uma boa recomendação de presente é dar um kit contendo itens essenciais para o enxoval do bebê.

Mas, se você ainda está em dúvida, acompanhe este post e conheça seis ideias de presentes para recém-nascidos meninos. Confira!

1. Kit Presente para Recém-Nascidos “Essenciais”

Durante os primeiros meses de vida do bebê, vão ser necessários itens que atendam desde os banho até a roupa para se agasalhar. E um conjunto desses itens pode ser uma boa opção para presentear.

O Kit Presente para Recém-Nascidos “Essenciais” possui um belo body na cor azul, babador em malha matelassê, babeiro (paninho de boca), meias, shampoo, sabonete e condicionador suaves. Com esses itens, é impossível não deixar todos felizes.

2. Naninha para bebê

Uma maneira de garantir o sono profundo e confortável do bebê é por meio da naninha do ursinho. Este é um objeto transicional que deixa a criança mais segura e calma na hora de dormir. Feita de material supermacio, a naninha é uma ótima recomendação de presente para o bebê.

3. Body Gola Polo

Quem tem um neném sempre fica pensando em roupas que sejam mais práticas: afinal de contas, ele deve se sentir confortável e, ao mesmo tempo, as trocas de roupa precisam ser fáceis. Pensando nisso, o body gola polo pode ser um presente essencial para os meninos pequenos. Ele é feito com tecido suave e vai dar bastante conforto e charme para o bebê.

4. Saco de dormir para bebê

Em qualquer ocasião – quando o tempo fecha ou o frio chega – é preciso agasalhar bem o pequeno. E um presente que pode ajudar nisso é o saco de dormir para bebê.

Esse acessório é fabricado em tricô canelado com tranças e forrado com microsoft. Tudo para garantir que o bebê fique quentinho e confortável.

5. Cesta de maternidade

Você já pensou em dar vários presentes em um só? A cesta de maternidade contém itens essenciais para o enxoval do pequeno.

Babador, paninho de boca, manta e ursinho de pelúcia são itens que vão ajudar não só nas atividades do dia a dia da criança, mas também nos momentos de diversão.

6. Conjunto de saída de maternidade para menino

O neném está prestes a sair da maternidade, mas que roupa ele vai vestir? Dê a ele de presente um lindo e luxuoso conjunto de fio para esse momento.

Feito de algodão e com uma manta supermacia, esse conjunto vai deixar a chegada do pequeno ainda mais estilosa, além de confortável.

Bem, essas foram algumas ideias de presentes para recém-nascidos meninos. Para não errar no presente, a dica é investir em presentes personalizados. Afinal, o nome da criança bordada na peça deixa o presente ainda mais especial, e o torna uma lembrança para toda vida. Mas atenção: não se esqueça de confirmar a grafia do nome do pequeno, pois assim você não comete nenhum erro.

Gostou deste post e quer receber os nossos conteúdos exclusivos aí na sua caixa de entrada? Então assine agora mesmo a nossa newsletter e fique por dentro das nossas novidades!

Dermatologista da conselhos sobre a pele durante a gravidez e os cosmeticos que podem ou nao serem usados durante a gravidez

Cuidados com a pele e Produtos que podem ser usados na Gestação – por Dra Helena Z Marchioro, dermatologista

São muitas as mudanças na pele com a gravidez. Assim como todo o organismo, a pele também passa por mudanças influenciadas pelas alterações hormonais características deste período.  Observa-se com maior frequência durante a gestação: aumento de acne, coloração mais escura das axilas, virilhas e aréolas mamárias, surgimento de uma linha escura no abdome (chamada lineanigra), aparecimento de manchas no rosto (melasma), além das temidas estrias.

Então, o que a gestante pode fazer para se prevenir destes “probleminhas”? Abaixo, eu listo os produtos que podem ser usados com tranquilidade e aqueles que devem ser evitados durante a gravidez. Confira!

Continue lendo Cuidados com a pele e Produtos que podem ser usados na Gestação – por Dra Helena Z Marchioro, dermatologista

Etaurantes e cafes com playground, parquinho e sala de brinquedos para as criancas

4 restaurantes e cafés com espaço Kids em Curitiba

Antes de ter filhos, muitos casais se preocupavam em buscar um restaurante bacana com uma boa comida. Mas depois da chegada deles, as preocupações são outras. Por exemplo: é preciso ter fraldário, cardápio infantil e um lugar para que as crianças possam se socializar enquanto os pais fazem suas refeições com tranquilidade. Felizmente, esse tipo de atmosfera pode ser encontrada nas possibilidades de espaços Kids em Curitiba.

Quer saber onde eles ficam e o que oferecem? Então, acompanhe este texto e conheça quatro lugares para comer bem e ainda deixar as crianças se divertirem. Confira!

Continue lendo 4 restaurantes e cafés com espaço Kids em Curitiba